O comportamento sexual na China mudou durante a pandemia do COVID-19
16 de junho de 2020

O comportamento sexual na China mudou durante a pandemia do COVID-19

Compartilhe

Durante a pandemia do COVID-19, a frequência e a satisfação sexual diminuíram para homens e mulheres jovens na China, de acordo com uma nova pesquisa.

 

A situação do COVID-19 teve um sério impacto na sociedade chinesa e em todo o mundo. Durante fevereiro e março de 2020, grande parte da população chinesa ficou restrita à maioria das atividades sociais. Famílias, amigos e parceiros foram separados e a maioria das escolas e locais de trabalho foram fechados.

 

Como essas mudanças afetaram a sexualidade?

 

Em março, uma equipe de pesquisadores entrevistou 1.200 pessoas para aprender mais sobre os efeitos do COVID-19 no comportamento sexual.

 

Respostas de 459 participantes (270 homens e 189 mulheres) com idades entre 18 e 45 anos foram incluídas nas análises finais. Todos os entrevistados tinham histórico de atividade sexual. Pouco mais da metade era casada e 72% morava com os pais. Nenhum deles possuía condições médicas que influenciassem sua função sexual e não relataram abuso de álcool ou drogas. Pessoas homossexuais e bissexuais, assim como mulheres grávidas e lactantes, foram excluídas do estudo.

 

A pesquisa solicitou informações sobre demografia, emprego, finanças, estilos de vida e atividade sexual. Os entrevistados também indicaram se planejavam aumentar o número de parceiros ou comportamentos sexuais de risco após a pandemia. (Comportamentos de risco foram definidos como “uso inconsistente de preservativo, parcerias sexuais 'casuais' ou múltiplas parcerias sexuais”).

 

A pesquisa revelou o seguinte:

 

- Cerca de 44% dos entrevistados disseram ter tido menos parceiros sexuais desde o início da pandemia. Desse grupo, 53% eram homens e 30% eram mulheres.

- Cerca de um quarto dos entrevistados disseram que seus níveis de desejo sexual haviam diminuído.

- Aproximadamente 37% relataram fazer sexo com menos frequência.

- Quase um terço dos homens e 39% das mulheres estavam menos satisfeitos sexualmente durante a pandemia.

 

Comportamento de risco

 

Quase 20% dos participantes disseram ter se envolvido em comportamentos sexuais de risco. A maioria desse subgrupo disse que esses comportamentos haviam diminuído. Os autores observaram que esses indivíduos podem estar sob grande estresse e que as "rígidas restrições físicas" dificultam a contratação de novos parceiros ou o envolvimento em comportamentos sexuais de risco.

 

Ainda assim, 32% dos homens e 18% das mulheres disseram que provavelmente aumentariam o número de parceiros sexuais ou o envolvimento em comportamentos sexuais de risco após o término da pandemia.

 

Participantes Casados

 

Os pesquisadores também examinaram dados de um subgrupo de participantes casados. Eles descobriram que 49% dos homens casados e 29% das mulheres casadas tiveram menos parceiros sexuais durante a pandemia. Além disso, 36% dos homens casados e 28% das mulheres casadas fizeram sexo com menos frequência.

 

Os autores reconheceram limitações à sua pesquisa, apontando que raça e cultura étnica poderiam ter influenciado os resultados. Por exemplo, é mais comum os jovens na China morarem com os pais, como quase três quartos dos participantes do estudo. Essa tradição, que pode afetar o comportamento sexual, não é tão difundida em outros países ou culturas.

 

 

Para mais informações sobre os efeitos do COVID-19 na sexualidade, consulte estes materiais:

- É seguro fazer sexo durante a pandemia de coronavírus (COVID-19)?

Impacto da quarentena no bem-estar psicológico e sexual

Experiência Canadense na Saúde Sexual por Telemedicina durante COVID-19

 

 

Recursos

O Jornal de Medicina Sexual 

Li, Weiran, PhD, et al.

“Mudanças nos comportamentos sexuais de mulheres e homens jovens durante o surto de doença de coronavírus 2019: uma amostra de conveniência da área epidêmica”

(Texto completo. Publicado online: 28 de abril de 2020)

https://www.jsm.jsexmed.org/article/S1743-6095(20)30597-X/fulltext