Estrutura Cerebral pode estar ligada ao Grau da Ejaculação Precoce
28 de agosto de 2019

Estrutura Cerebral pode estar ligada ao Grau da Ejaculação Precoce

Compartilhe

Homens com Ejaculação Precoce (EP) parecem ter uma estrutura cerebral diferente dos homens sem essa condição.

 

Em um estudo recente do Journal of Sexual Medicine, cientistas relataram que homens com EP ao longo da vida tiveram um volume médio maior do núcleo caudado (6,8 cm³) em comparação com homens sem EP (6,1 cm³). Maior volume foi associado a sintomas mais graves de EP.

 

EP - ejaculação antes que um homem deseja que isso aconteça - é um problema comum. EP ao longo da vida geralmente ocorre quando o homem chega ao clímax dentro de um minuto da penetração vaginal, causa sofrimento significativo, e a situação está presente desde a primeira relação sexual. Homens com EP sentem-se envergonhados e preocupados com a reação do parceiro.

 

No presente estudo, os pesquisadores procuraram determinar se a EP poderia estar ligada a mudanças na estrutura cerebral.

 

Cinquenta e quatro homens com EP vitalício participaram do estudo. Outros 42 homens sem EP serviram como grupo de controle. Todos os homens eram destros, e sua idade média era de 34 anos. Todos eram casados.

 

Homens com EP completaram a Ferramenta de Diagnóstico de Ejaculação Precoce (PEDT). Os pesquisadores também determinaram o tempo médio de latência de ejaculação intravaginal de cada homem (IELT) com base em 4 semanas de relatórios.

 

Usando ressonância magnética (MRI), os pesquisadores avaliaram o volume de várias estruturas cerebrais, incluindo a substância branca, substância cinzenta, o cerebelo, a amígdala, o núcleo caudado e o hipocampo, entre outros.

 

Eles observaram que o volume médio do núcleo caudado era maior em homens com EP. Além disso, encontraram uma “correlação positiva significativa” entre o volume do núcleo caudado e o escore do PEDT, sugerindo uma ligação entre maior volume e pior controle ejaculatório. Uma correlação negativa foi encontrada com o volume do núcleo caudado e IELT.

 

"Se as mudanças subcorticais são a causa ou consequência da EP ao longo da vida permanece incerto", escreveram os autores, acrescentando que o pequeno tamanho da amostra era outra limitação do estudo.

 

"Estudos mais extensos e possivelmente longitudinais são necessários para melhorar nossa compreensão dos mecanismos da neurobiologia subjacente à EP", concluíram.

 

Fonte: https://www.issm.info/news/sex-health-headlines/brain-structure-possibly-linked-to-severity-of-premature-ejaculation/