Suplementos e Sexualidade: O Google responde?
18 de julho de 2019

Suplementos e Sexualidade: O Google responde?

Compartilhe

Não conte apenas com o Google quando o assunto é sua saúde, em especial, sua saúde sexual.

 

Quando você tem ansiedade pela sua qualidade de ereção, falta de desejo sexual, ejaculação precoce, pouca lubrificação vaginal, dor na relação sexual e outras disfunções sexuais é normal você consultar o Google.

 

É muito bom ter algum tipo de conhecimento, mesmo que seja leigo. Tenha certeza que nada será melhor do que estar com um profissional especializado no seu problema.

 

As pílulas que são vendidas na internet livremente, nem sempre condizem com o que elas possuem. Muitas delas não são autorizadas pela ANVISA e nos Estados Unidos pelo Food and Drug Administration (FDA).

 

Os pacientes on-line tem acesso irrestrito a infinidade de produtos para “melhoria sexual”, podendo ser adquiridos na privacidade de sua casa, o que evita a necessidade de abordar o assunto em farmácias ou clínicas.

 

Você até pode comprar e vai receber,mas é necessário ter em conta que ninguém garante um produto com origem duvidosa.

 

É normal um homem com disfunção erétil demorar até dois anos antes de fazer uma visita a um médico especialista. Mesmo tendo condições financeiras, sociais e educacionais. É habitual o indivíduo ir até o profissional de saúde e não ter coragem de dizer sobre sua real necessidade sexual.

 

Os profissionais de saúde precisam, mesmo que não sendo da área da sexualidade, colocar no seu questionário perguntas básicas sobre a qualidade de vida sexual e oferecer algumas dicas sobre suplementos para o desempenho da sexualidade para que não haja um desperdício enorme de dinheiro, tempo e qualidade de vida.

 

Os suplementos ditos naturais, naturopatas, homeopáticos, orgânicos… podem interagir com medicamentos convencionais, levando a efeitos colaterais e podendo afetar exames laboratoriais. Os pacientes precisam entender que poucos são os suplementos com estudos suficientes para determinar a sua eficácia e dosagem adequada, e grande parte deles podem conter outras substâncias não anunciadas nos rótulos e bulas e não estão isentos de contaminantes prejudiciais à saúde.

 

Lembrando que drogas, como cocaína, maconha, são também substâncias naturais. Não necessariamente o natural é bom.

 

Dr. Marcio Dantas de Menezes

Sexualidade Humana

CRM-SP 111.379

Referência: https://www.medscape.com/viewarticle/911644